fbpx

PS4 x Xbox One: veja a comparação entre os dois consoles da nova geração

PlayStation 4 e Xbox One são as mais recentes apostas de Sony e Microsoft para o capítulo atual guerra dos consoles. Com hardware poderoso, novos controles e a tendência das câmeras e sensores, os aparelhos dividem a preferência dos jogadores. Ainda não decidiu qual comprar? Confira a nossa comparação entre os consoles e decida qual levar para a casa. Leia as análises completas de Playstation 4 e Xbox One PS4 x Xbox One: uma comparação entre os dois consoles da nova geração (Foto: Reprodução/Débora Magri) Preço Talvez o ponto mais polêmico da chegada dos novos consoles ao Brasil tenha sido o preço, que e deixou muitos de cabelo em pé, especialmente pela diferença quando comparado ao valor praticado lá fora. Lançados oficialmente por US$ 400 e 500 (Playstation 4 e Xbox One com Kinect) os consoles chegaram por aqui custando R$ 4.000 e R$ 2.300, respectivamente. O PlayStation 4 vem acompanhado apenas do básico – cabo de alimentação, cabo HDMI, headset, um controle e o console. A Playstation Camera não acompanha o pacote, e pode ser comprada separadamente por US$ 59 (o sensor ainda não é vendido oficialmente no Brasil). Um controle sai por R$ 299 na loja da marca. Apesar do valor nacional salgado, o console da Sony pode ser encontrado em diversas lojas por pouco menos de R$ 1.800. Tratam-se de aparelhos importados, que na maioria das vezes não possuem qualquer tipo de cobertura da garantia nacional da Sony. O Xbox One, concebido para ser um aparelho mais caro, terminou saindo mais barato por aqui graças à fabricação local. Além da fonte de alimentação, cabo HDMI, headset, controle e console, a caixa acompanha o novo Kinect. A Microsoft também anunciou uma versão sem o sensor, que chega às lojas em junho por R$ 2.000. O controle pode ser encontrado por R$ 200 em revendedores oficiais da marca. Design O PS4 é pequeno e tem um visual arrojado (Foto: Reprodução/Débora Magri) Apesar de toda a discussão em relação ao visual dos consoles, a verdade é que os aparelhos são um tanto parecidos. Ambos adotaram uma carcaça separada em duas partes, uma fosca e outra mais brilhante. O PS4 é consideravelmente menor do que o concorrente, tendo as medidas comparáveis às de um PS3 Slim, O design é arrojado, cheio de cortes diagonais e uma grande barra de luz que separa os dois lados do console. Grandalhão, o Xbox One não é muito charmoso (Foto: Reprodução/Débora Magri) Já o Xbox One aposta em um visual mais tradicional, apoiado na ideia de ser o centro da sala de estar. Grandalhão, o console não chega a ser feio, mas certamente carece de algum carisma. O aparelho não tem lá muitos detalhes, com exceção do botão on/off, fundido ao painel e iluminado. Controles Mesmo com o padrão de botões estabelecido, os controles terminam sendo parte importante na escolha de qual aparelho levar para a casa. Muito mais do que o design, os joysticks têm pegadas diferentes, que podem ser mais adequadas a certas mãos ou mesmo estilos de jogos. Dualshock 4 e Xbox One Controller (Foto: Reprodução/Débora Magri) Dualshock 4 O PlayStation 4 vem acompanhado do Dualshock 4, que não é nada menos do que o primeiro controle totalmente novo lançado para um console da Sony desde o PlayStation original, que chegou na metade dos anos 90. O controle é mais alongado do que o seu antecessor, e conta com um touchpad posicionado bem no centro. Outra novidade é o botão share, que permite que o jogador grave e compartilhe imagens e vídeos dos seus jogos com um simples comando. Uma barra luminosa no topo do controle também incrementa o visual, além de garantir compatibilidade com o futuro óculos de realidade virtual do console. O Dualshock 4 é melhor e mais confortável que seu antecessor (Foto: Reprodução/Débora Magri) Nas mãos, o DualShock 4 é claramente superior ao seu antecessor. As laterais mais espaçadas permitem um acomodamento mais adequado das mãos, além de facilitar o acesso aos botões de ação. Os analógicos, mais resistentes e bem desenhados, foram movidos para cima, melhorando sensivelmente a precisão em games que requerem comandos mais delicados. O controle continua alimentado por uma bateria recarregável interna. Basta ligar o DualShock 4 ao console ou qualquer outra fonte de energia usando um cabo Micro USB. O problema é que a bateria não dura lá grande coisa, tendo que ser recarregada a mais ou menos cada 10 horas de uso, quando usado com as configurações padrão. Xbox One Controller Como diz o ditado, time que está ganhando não se mexe. Esse certamente foi o princípio aplicado pela Microsoft na hora de entregar o controle do Xbox One. O Joystick, apesar de algumas boas mudanças (e outras nem tanto), se assemelha muito ao modelo do Xbox 360, que arranca suspiros dos fãs de videogames. O controle tem basicamente o mesmo formato do antecessor, mas com algumas correções que o deixam mais anatômico e confortável. Os gatilhos agora são maiores, e ganharam o interessante sistema de vibração independente, que faz com que os botões reajam a pancadas, freadas ou tiros. O controle do XONE segue os passos do bem sucedido joystick do 360 (Foto: Reprodução/Débora Magri) Os analógicos também foram alterados. Mais altos e finos, facilitam o manuseio preciso. O direcional digital foi criado do zero na esperança de melhorar o terrível d-pad do 360, e faz um bom trabalho em jogos como Killer Instinct. Os botões LB e RB, por outro lado, parecem um tanto imprecisos, especialmente quando comparados ao controle do antigo console. Uma das decisões mais comentadas foi a de manter as pilhas como alimentação principal do controle. Apesar da necessidade de comprar ou recarregar constantemente as baterias, a vida útil de cada recarga é bastante superior à do PS4, podendo chegar ao dobro com pilhas de qualidade. Sistema operacional Os sistemas operacionais são os responsáveis pelas características e funções dos consoles funcionando. Especialmente nessa geração, o apelo para aplicativos e operações multitarefas exige muito de cada um dos aparelhos. O PlayStation 4 ganhou uma interface que a primeira vista pode parecer um pouco simplória demais. Uma grande barra horizontal lista todos os jogos e aplicativos salvos no console, com a ordem baseada na última vez que foram usados. Apesar da aparente desorganização, é fácil e rápido navegar pela lista, onde tudo pode ser executado com bastante agilidade. Sistema do PS4 é rápido e simples (Foto: Reprodução/Murilo Molina) O console apostou em uma espécie de rede social, que lista em forma de feed todas as ações de amigos, incluindo novos games jogados, conquistas ou vídeos compartilhados. Apesar de interessante, a função parece não despertar muito o interesse dos jogadores. O desempenho geral do sistema é bastante agradável, já que raramente as ações demoram ou de alguma forma engasgam. É extremamente rápido sair de um jogo e ir até a lista de amigos, por exemplo. Para o Xbox One, a Microsoft apostou num visual ainda mais parecido com o do Windows 8 , com aplicativos, jogos e opções separados por pequenos quadrados por toda a tela. É possível marcar alguns games como favoritos, que ficam separados em uma área específica, ajudando a achá-los mais facilmente. A tendência de incluir uma rede social ao sistema também chegou ao Xbox. Assim como no PS4, é possível compartilhar com amigos e seguidores conquistas e vídeos do console, mas as postagens não costumam ser muitas, além do conteúdo automático gerado. O menu do Xbox One lembra o Windows 8 (Foto: Reprodução/Murilo Molina) As tarefas mais simples como navegar pelos menus são simples e ágeis, mas podem se tornar um pouco irritantes em alguns momentos. O sistema ainda parece um pouco instável, resultando em uma série de bugs e atrasos na abertura de aplicativos ou mesmo na hora de mover o cursor. Jogos exclusivos Funções, controles e desempenho são importantes, mas certamente não falam mais alto na escolha do que os jogos disponíveis. PlayStation 4 e Xbox One já têm alguns bons games, entre exclusivos e multiplataforma. O PlayStation 4 iniciou sua trajetória com poucos games exclusivos. Entre os destaques, estavam apenas Killzone Shadow Fall e Knack, considerados os únicos blockbusters exclusivos. Mais recentemente, o bom InFamous: Second Son também chegou ao PS4. O console ainda conta com mais alguns títulos menos expressivos como Blacklight: Retribution , Resogun e Warframe , que completam o catálogo ao lado de grandes nomes como Fifa 14 , Battlefield 4 e Assassin’s Creed 4: Black Flag . Second Son é uma das melhores opções para os donos do console da Sony (Foto: Reprodução/Murilo Molina) Para os próximos meses, as grandes apostas ficam por conta de Drive Club, The Order 1886 e o iminente anúncio de um novo Uncharted. O Xbox One ganhou uma variedade maior de exclusivos logo no lançamento. Entre os títulos estavam Ryse: Son of Rome, Dead Rising 3, Forza Motorsport 5 e Killer Instinct. Como grande nome, o console tem o FPS Titanfall , também lançado para PC. Titanfall é o principal game do Xbox One (Foto: Reprodução/Murilo Molina) Com menos destaque também chegaram Lococycle, Powerstar Golf, Zoo Tycoon e Crimson Dragon. Os próximos meses prometem Halo , Gears of War, Sunset Overdrive, uma nova versão de Forza Horizon e o aguardado Quantum Break. Apps Assim como nos telefones e televisões, os aplicativos fazem cada vez mais parte dos consoles, já que adicionam funções e serviços diversificados aos aparelhos. PS4 e Xbox One não ficam de fora, contando com uma boa variedade de apps. Entre os mais populares estão os serviços de transmissão de vídeo Netflix , Crackle , Hulu Plus e RedBox Instant. Também é possível conferir conteúdo sobre games gratuitamente no app Machinima, disponível nas duas plataformas. Diversos aplicativos estão disponíveis para os dois consoles (Foto: Reprodução/Murilo Molina) O Twitch , que permite que os jogadores transmitam ou assistam partidas online foi lançado junto do PS4, e chegou ao Xbox One recentemente. Os consoles ainda contam com serviços próprios de aluguel de músicas e vídeo como Xbox Music e PlayStation Music, que são pagos. Sensor De meras câmeras que capturavam movimentos, os sensores chegaram à nova geração com o peso de fazerem parte da experiência, em especial no Xbox One. Ligar, desligar, abrir jogos, aplicativos e até dar ordens ao console são algumas das responsabilidades dos sensores, mas será que eles são tão importantes assim? Se depender do PlayStation, os sensores devem ficar relegados a segundo plano. O aparelho sequer acompanha a PlayStation Camera, que deve ser comprada separadamente por aqueles que se interessarem por seus serviços. Em geral, o sensor não faz muito mais do que servir de câmera para transmissões no Twitch ou jogar alguns minigames inclusos no Playroom. Como o próprio headset suporta comandos básicos de voz, a compra parece um tanto injustificada, especialmente se considerarmos que o periférico sequer está a venda oficialmente no Brasil. O Kinect é legal, mas não chega a mudar a experiência (Foto: Reprodução/Débora Magri) O Kinect prometia uma experiência revolucionária ao controlar o Xbox One. No entanto, em seis meses o sensor passou de estrela do pacote a peça opcional. Sejamos justos, o aparelho até possui algumas funções bacanas, como abrir jogos e controlar aplicativos sem usar controles. O problema é que na prática, a experiência pode ser um pouco frustrante, já que nem todas as vezes o sensor entende bem as ordens. Para economizar um bom dinheiro, talvez não seja uma péssima ideia abrir mão do Kinect. Rede online Separadas na última geração pela taxa mensal exigida pela Xbox Live, as redes online parecem muito mais equilibradas atualmente. Isso porque a Sony resolveu também cobrar mensalmente pelo acesso a partidas online no PS4. Apesar das taxas, os serviços também melhoraram bastante. Hoje em dia os assinantes da PSN Plus recebem mensalmente um novo game de graça. A mesma conta também é compatível com o PS3 e Vita, que também são beneficiados por jogos grátis. Também estão disponíveis descontos em diversos jogos e alguns serviços exclusivos, como backup automático de saves. É preciso pagar para jogar online na Live e PSN (Foto: Reprodução/Murilo Molina) No Xbox One a Live parece não ter mudado muito em relação à versão do Xbox 360. Mais consistente do que a concorrente, a rede peca por ainda não oferecer nenhum tipo de game grátis ou serviço extra aos usuários. A Microsoft, no entanto, já avisou que planeja liberar em junho o programa Game with Gold, que presenteará os jogadores com jogos como Halo: Spartan Assault e Forza 5. Segunda tela e compatibilidade Xbox One e PlayStation 4 contam com aplicativos para telefones e tablets que permitem que o console tenha algumas de suas funções mais básicas controladas. Alguns jogos ainda possuem funções de segunda tela para os gadgets. Com o aplicativo do PlayStation é possível ler e enviar mensagens, conferir o feed de atualizações dos amigos e gerenciar opções simples do console. Apesar de interessante, o app termina não sendo muito útil, já que parece um tanto mais fácil ligar o console. O Vita também possui compatibilidade com o PS4, fazendo-o acionar as funcionalidades de segunda tela para os jogos compatíveis. Apesar disso, o grande barato do portátil é a possibilidade de jogar os jogos do PS4 diretamente pela tela do Vita, sem a necessidade de estar perto do console. O Vita é o companheiro ideal para o PS4 (Foto: Reprodução/Débora Magri) O Xbox One conta tem um app bastante parecido com o do PlayStation, trazendo todas as funcionalidades básicas. Disponível para IOS, Android e Windows Phone , o aplicativo também não chega a mudar a experiência de uso, mas pode servir para enviar uma mensagem uma vez ou outra. Problemas Nem só de grandes jogos e funções bacanas vivem os consoles de nova geração. Por isso, é importante saber dos possíveis problemas que podem ocorrer com os aparelhos. Para evitar dores de cabeça, sempre opte por versões nacionais (no caso do Xbox) ou vendidas por lojas autorizadas. Isso garantirá que o produto será trocado ou reparado pela garantia no caso de algum problema mais grave. No PlayStation 4, alguns usuários tiveram problemas com portas HDMI defeituosas, que prejudicavam a transmissão da imagem para as TVs, inutilizando o console. A Sony garantiu que tratavam-se de poucas unidades e reparou os consoles imediatamente. Outros compradores reportaram aquecimentos do aparelho, que se desliga automaticamente para prevenir qualquer danos mais sérios. Problemas com os botões on/off e eject também foram reportados. No Xbox One, drives que mastigavam discos foram comuns nas primeiras semanas do console. O problema, entretanto, não parece ter afetado muitos dos consoles nacionais. Alguns episódios de superaquecimento também foram reportados. Um problema frequente são travamentos e bugs que impossibilitam que o jogador execute jogos. Nesse caso, é necessário segurar o botão on/off do console até que ele desligue por completo, então ligar novamente. Bug no PlayStation 4 (Foto: Divulgação) Conclusão No final das contas, ambos são belos consoles, com diversos pontos fortes e algumas fraquezas. A biblioteca de jogos ainda não é grande, mas certamente continuará crescendo em ambos os sistemas, com boas opções para todos os estilos de jogadores. Na hora de decidir é importante pesar cada uma das características positivas e negativas e considerar quais as mais importantes para o seu gosto. Também é interessante ter alguma simpatia pelos games exclusivos de cada console, já que eles são a grande diferença entre eles. Por fim, avalie bem se esse é mesmo o momento certo para comprar o seu console da nova geração, ou se ainda dá pra esperar um pouco. Com o tempo os sistemas tendem a ficar mais seguros e com mais e mais opções de jogos. Além disso, Xbox 360 e PlayStation 3 têm centenas de jogos incríveis que certamente valem ser aproveitados. Já se decidiu entre  Xbox One ou Playstation 4 ? Opine no Fórum do TechTudo. saiba mais Xbox One: conquistas e saves não serão armazenados no HD Xbox One: Kinect pode dar conquistas por jogar de olhos fechados ou sorrindo PlayStation 4 permitirá realizar o download de jogos em pré-venda PlayStation Now: serviço de streaming de jogos inicia versão beta no PS4

Comentários no Facebook

× Consulte-nos!